Como não falir em período de crise

Estudo identifica os 5 principais riscos que podem levar à falência pequenos negócios, e dá dicas e cuidados para não falir em período de crise, como o que o Brasil enfrenta nos últimos anos.

Estudo do Instituto MahaGestão feito com cinco mil negócios identificou os cinco riscos principais que podem levar o pequeno empreendimento à falência, principalmente em períodos de recessão.

Os 5 principais riscos são: dificuldades na gestão financeira, atraso nos pagamentos, contrair crédito pagando juros altos, descontrole de fluxo de caixa e dificuldade para identificar desvios.

Confira neste artigo mais detalhes sobre estes riscos e dicas de como evitar que levem seus negócios à falência…

Falta de Automatização de Processos

Segundo o idealizador do instituto e CEO da empresa de gestão empresarial Jiva, Fábio Túlio, o envolvimento dos donos das PMEs com as atividades básicas da operação e controle costuma ser tão grande, que não sobra tempo para se dedicarem a tarefas gerenciais e estratégicas que agregam valor ao negócio.

“Eles entram em um círculo vicioso e deixam de investir tempo e recursos para implantar a transformação digital e automatizar os processos básicos, passo importante para racionalizar a operação. Fazendo gestão manual gastam tempo, têm pouca precisão e alta taxa de erro”, afirma.

Para o executivo, o ideal é que as MPEs invistam 1% do faturamento anual em projeto de automação. Fábio Túlio destaca que o que a empresa ganha em racionalização é muito maior que o investimento feito para isso.

Túlio diz que além de investir em tecnologia é preciso aperfeiçoar os processos e, principalmente, capacitar as pessoas para que elas se sintam engajadas e comprometidas.

“Esses empresários têm pouca informação para planejar e se antecipar aos problemas. E quando o fazem, não monitoram o que realmente estão realizando frente ao programado”, conclui Fábio.

Falta de Gestão

A realidade de grande parte das micro e pequenas empresas, porém, não é a mesma. A falta de gestão continua sendo um grande desafio para muitos empreendedores.

Economista e consultor do Sebrae, Sergio Dias concorda que má gestão é uma das principais causas do insucesso de um empreendimento e lista as áreas que merecem atenção redobrada: gestão financeira, incluindo os custos e as contas a pagar e receber, a gestão de estoque e a gestão de compras e fornecedores.

Dias ressalta que o planejamento é importante para evitar que o negócio sofra ainda mais em períodos de crise.

“O planejamento é fundamental e deve anteceder a fase de criação da empresa. Planejar com assertividade permite ao empreendedor ter visão do negócio ao longo de um período, para olhar a empresa no futuro e não pelo espelho retrovisor.”

Segundo ele, em períodos de recessão o ciclo de planejamento deve ser menor.

“Se em épocas de estabilidade o empresário faz planejamento anual, na crise o intervalo deve ser de seis meses ou menos, dependendo do negócio. Também é muito importante criar indicadores de desempenho, tanto da receita quanto da despesa. Os indicadores servem para promover ajustes no plano.”

Resultado de imagem para falta de planejamento

Falta de Planejamento

Sócio-diretor da Prosphera Educação Corporativa, Haroldo Matsumoto considera que a falta de planejamento quebra mais empresas que a falta de cliente ou de capital.

“O mercado não tolera mais amadores ou aventureiros na gestão dos negócios. Quem não tem planejamento está à mercê da sorte”, afirma.

Matsumoto considera que o cenário brasileiro é completamente caótico e negativo. Mas avalia que os negócios bem estruturados estão fortalecidos para enfrentar o pior da crise e ainda têm a oportunidade de dominar o mercado, por conta da falência dos principais concorrentes.

Ele acrescenta que é justamente na crise que os maiores erros de gestão aparecem.

“Quando o mercado está aquecido tanto o cliente quanto o segmento permitem erros, deslizes e a completa falta de controle e de monitoramento, porque as margens de lucro são grandes e escondem qualquer prejuízo”, diz.

O consultor também faz um alerta àqueles que sempre tentam cobrir o preço do concorrente. Ele diz que é bom ter o parâmetro do preço que o mercado pratica e também saber na ponta do lápis quais são os custos envolvidos em seu processo, bem como o limite mínimo que pode vender.

“Às vezes, negar uma venda é melhor para saúde da empresa e para a sua perpetuação no mercado. Com a crise que assola o País há três anos, assumir riscos sem noção exata da decisão é amargar prejuízo na certa, podendo até mesmo colocar em risco o patrimônio”, destaca.

Imagem relacionada

Falta de Informação

Consultor de negócios, Sandro San lamenta a ausência de cultura de planejamento entre as pequenas empresas brasileiras. Ele acredita que essa é uma das razões pelas quais a maioria delas fecham nos primeiros anos de vida.

Segundo ele, é muito difícil fazer uma boa gestão ou planejamento empresarial sem ter acesso a informações adequadas que possam ser acessadas no momento certo para a tomada de decisão do gestor.

“Sem informação adequada e em tempo real, o planejamento se torna ineficiente e incapaz de produzir resultados concretos e, obviamente, coloca o empreendedor num estado de comprometimento das suas finanças, o que pode levá-lo à falência em muito pouco tempo”, diz o consultor.



Talvez você também possa se interessar por:


FONTE: Estadão


 

Compartilhe!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.